Por que falta empatia no mundo materno?

Categorias: Depoimentos Mães

Um das coisas que mais me pergunto nesses quase 4 anos em que sou mãe é porque falta empatia no mundo materno. Todas as mães são perfeitas, até o dia em que de fato têm filhos. Mas me pergunto ainda se depois de viver todo o caos da maternidade e todo perrengue do puerpério, essas mães não aprendem a ser solidárias, parceiras e menos julgadoras?

empatia no mundo maternoA maternidade é linda na revista, nas fotos e nos filmes, mas nem sempre é fácil cuidar de uma criança. Existem muitas coisas que não são controláveis como a cólica, a ausência de noites bem dormidas, as mamadas irregulares, entre tantas outras coisas que cercam os primeiros meses de vida de um bebê e que, toda ajuda sem julgamento certamente é bem-vinda.

Mas parece que nem quando as pessoas passam por esse perrengue todo, conseguem ser solidárias às novas mães. Pouco podemos observar daquelas mães que ajudam sem julgar, que estendem a mão para somente colaborar sem impor sua opinião ou ainda dizer o quanto são melhores do que aquela pobre mãe que está ali, sofrendo por algum motivo que as vezes nem ela sabe qual é.

O julgamento materno é cruel, frio e não perdoa ninguém. Não importa se determinada mãe fez das tripas coração para amamentar o filho, porque no fundo ela será lembrada como a mãe que desistiu no meio do caminho. Não importa se outra mãe doou litros e litros de leite a um banco de leite, no fim vão lembrar como a desregulada que amamentou o filho até ele mal caber no colo e o pior, fazia isso em público. Não importa se você adotou uma criança na África, afinal você poderia ter adotado aqui mesmo.

Parece que nada é suficiente para que as mães sejam verdadeiramente boas mães. Se trabalha fora é porque terceiriza a criação do filho, se não trabalha, gasta o dinheiro do marido sem fazer nada o dia todo e por aí vai.

São tanto julgamentos, dedos apontados e cara de espanto que chega dar medo ser mãe. Chega mesmo a ser um terrorismo materno que muitas vezes não sabemos como lidar e ao invés de nos preocuparmos com o que realmente importa e quando possível, ajudar alguém próximo, acaba que nos vemos também mães julgadoras cheias de regras, opiniões imutáveis e palpites na ponta da língua.

Que possamos enxergar na nossa experiência materna a oportunidade de fazer da maternagem de outro alguém mais leve, suave e tranquila.

2 comentários

  1. Avatar
    Meire de Abreu disse: em 11.09.2016

    Querida Gabriela, te parabenizo pelas sabias palavras no texto acima, obrigada por expressar Tao bem a frustracao de muitas maes, que encontram na maternidade tantas dificuldades, mas a maior delas e o peso colocado nos nossos ombros pelas proprias maes! Que nao conseguem so menos serem solidarias.Um grande abraco.

  2. Avatar
    Alessandra disse: em 11.09.2016

    Fato. Muito Triste esses julgamentos, apontar o dedo. Amei o texto. Parabéns

Deixe seu comentário