Tudo a seu tempo

Categorias: Desenvolvimento Filhos

Tudo a seu tempo.  É isso que eu tenho pensado e sentido ultimamente. 2015 foi um ano difícil, marcado por cirurgias importantes para o Pedro e para a Olivia e a suspeita de que meu filho fosse autista, me assombrou por um longo tempo. Hoje sabemos que ele não está no espectro.

Algumas avaliações, relatórios e uma proposta totalmente inadequada de tratamento quase comprometeram o desenvolvimento do Pedro. Mas acredito que Deus tenha colocado em nossos caminhos, pessoas que já haviam passado pelas mesmas experiências e os mesmos dilemas que nós e que puderam opinar de forma tão coerente a nos fazer mudar de conduta em relação ao tratamento dele.

Pensar que nosso pequeno estava passando por algumas dificuldades de processamento, que podem ou não estar ligadas a falta de audição temporária, mas que esteve presente na fase mais importante da construção da linguagem, nos fez repensar e reconstruir um Pedro dentro de nós.

tudo a seu tempo

Acredito que Deus tenha sido generoso conosco e não precisamos percorrer longos caminhos até encontrarmos o tratamento ideal para um garotinho esperto e um pouco confuso de apenas 3 anos. Neste período dividi medos e angustias com amigas queridas, gente de bem que me ajudou muito a escolher um caminho leve de ser percorrido junto ao meu filho e hoje temos uma fono que o acompanha e uma psicomotricista voltada para interação social e comportamento.

Um trabalho que não acontece de um dia para o outro, que não tem prazo para acabar, mas que ajuda na sua constante evolução e desempenho. Pedro adora suas terapeutas e isso é o que mais importa. Nossos dias são cheios de atividades, com novos desafios, mas também são felizes e leves, como deve ser o dia de uma criança.

Impossível comparar o Pedro com outra criança, impossível que um seja melhor do que o outro. Tudo a seu tempo. Do jeitinho que deve ser, e do jeito que seu filho conseguir.

4 comentários

  1. Linda Silva disse: em 26.01.2016

    Oi Gabi
    Acompanho o blog desde a gestação de Olivia.
    Me identifico muito com você, suas dúvidas e adoro suas dicas.
    Mas em especial com esse post, pois meu pequeno hoje com 4 anos e dois meses, foi diagnosticado dentro dos espectro de autismo. Confesso que num primeiro momento meu mundo caiu, fiquei sem chão sem saber o ou a quem recorrer ( não tinha a mínima noção sobre autismo).quando ele tinha 2 anos, hoje o Gabriel que também faz acompamento com a terapeuta de psicomotricidade e com a fono que são pessoas especiais para nós, pois no proporcionaram e nos ensinaram a ver as coisas de outro ângulo, com outros olhos e somente nós pais sabemos o quanto cada descoberta e cada sílaba, palavra e hoje frases nos deixam felizes, o que para algumas pessoas é normal, para nós é uma vitória uma conquista a ser comemorada.Hoje ele já fala com as pessoas já interage com outras crianças, as terapias são fundamentais para o desenvolvimento dele, após um tempo sem um diagnóstico preciso,porque é difíci, após vários exames e muitas terapias intensivas semanalmente a melhor de todas as notícias ele tinha um atraso de desenvolvimento.e de linguagem mas não mais estava dentro do quadro de espectro de autismo.Mas como diz a Vivi(terapeuta do Gabriel) é um trabalho em conjunto e não somente de consultório.
    Nada é mais gratificante do que ver nosso pequeno bem e feliz conseguindo interagir com todos.

    1. Gabriela Gama respondeu: em 01.02.2016

      Linda tudo bem?

      É duro quando a gente precisa reconstruir aquele pequeno ser e entrar num caminho desconhecido. Que bom que hoje ele interage e consegue se relacionar. É duro ver nossos filhos com tantas dificuldades e percorrendo um caminho mais longo do que os outros.
      Recomendo que siga e leia o blog LAgarta Vira Pupa, de uma amiga querida e mãe de um autista. Conte comigo sempre que precisar. Um grande beijo.

  2. Andrea disse: em 11.06.2016

    Pois…é…quando sai do espectro….deve ser um alívio, e quando e confirmado ?

    1. Gabriela Gama respondeu: em 12.06.2016

      Andrea, eu não posso te responder porque nossa suspeita estava errada. Pedro não é autista, apenas tem atraso de processamento auditivo central.
      Eu aqui posso apenas repetir o que minha amiga Andrea do Blog Lagarta Vira Pupa sempre diz, quando chega o diagnóstico, vem com ele o soco no estômago, o luto, o desespero, mas depois que as coisas se encaixam e existe vida após o autismo.
      Receba meu abraço!

Deixe seu comentário