Profissão: Mãe

Categorias: Depoimentos Mães

“Às vezes eu queria ser o papai, só pra poder pedir ajudar da mamãe.” Publiquei esta frase há algum tempo no instagram e confesso que tenho lembrado dela quase diariamente. Tem dias que ando tão esgotada física e emocionalmente que queria por alguns poucos minutos ser só filha.

maeA gente está careca de saber que no fim das contas, sempre sobra pra mãe. Basta olhar em volta para perceber quantas mães largam suas carreiras, mega salários para poder ficar com os filhos. Existem também as que não querem largar, mas tem a infelicidade de trabalhar numa empresa que não quer mãe. Pra mim empresa que não gosta de mãe, não gosta de gente.

Deixando de lado, carreira, mercado de trabalho e licença maternidade, vamos às mães reais. Aquelas que se desdobram para dar conta da casa, dos filhos, do marido, do gato, cachorro e por aí a fora. Não importa se ela tem um trabalho formal ou se é dona de casa, a verdade é que mãe não tem descanso.

Quando o filho está doente, está com sono ou com fome, é a mamãe que ele chama. Aqui em casa até o papai é chamado de mamãe quando o Pedro precisa de alguma coisa.

Quando os filhos ficam doentes, o remédio, a pediatra, o histórico de saúde, a farmácia, sobra sempre pra mãe. No dia que a gente consegue uma folga e o pai sai com o filho doente para leva-lo ao médico, cinco minutos depois o telefone toca pra saber porque está lá, ou para entender melhor qual o problema do filho.

Mãe não descansa, nem o corpo e nem a cabeça. Mãe não se desconecta dos filhos nem por um segundo, mãe não dorme direito depois que o filho nasce. Mãe nunca mais será a mulher de antes.

As mães são corajosas, são leoas, defendem as crias com força e determinação. Se for preciso não dormem, não comem, não descansam nunca.

Não basta cuidar dos filhos, tem o mercado, a escola, a farmácia, a feira, os compromissos de família, o banco, enfim. Tudo que gira em torno de uma casa.

Parece que nossa jornada não tem fim, que quando um filho fica doente, todo mundo cai de cama. A mãe doente também, cuida de cada um com um sorriso no rosto. É capaz de abstrair a dor e cuidar do filho madrugadas a fio sem reclamar.

Mas até quando uma mãe aguenta o tranco? Até quando conseguiremos ser as super mães incansáveis? É preciso de um tempo para si, para o corpo, para a cabeça.

Mãe também é mulher, também quer ser valorizada, desejada, reconhecida. Também gosta de banho demorado, colo, carinho, compreensão. Quer afago, beijo e abraço.

Profissão mamãe, 24 horas, 7 dias por semana que aceita pagamento em sorrisos sinceros, mas que fica feliz quando ganha bônus!

1 comentário

  1. Avatar
    Maria Inez disse: em 06.11.2015

    Gostei muito do depoimento dessa mãe. Acho que ninguém havia relarado de uma maneira tão simples e tão clara sobre a complexa rotina de uma mãe. Tudo muito verdadeiro! Parabéns!!!

Deixe seu comentário