Cada filho é único

Categorias: Desenvolvimento Filhos
Cada filho é únicoHá poucos dias escrevi sobre a necessidade de atenção das crianças e falei também sobre a interação com outras crianças e bebês, mas não mencionei algumas coisas bem interessantes sobre esta nova fase que estamos vivendo em casa. As particularidades do Pedro!
Eu nunca comparei o desenvolvimento do meu filho com o de outras crianças. Tenho muito claro na minha cabeça que cada criança tem seu tempo, não existe uma regra específica, apenas alguns valores de referência. Mas desde que ele nasceu eu vivo ouvindo, fulano nasceu assim, fulana já tem dente, quando ele vai andar? Você andou super cedo, porque o Pedro não anda ainda, mas na idade dele um monte de bebê já bate palma, manda beijo e dá tchauzinho. Juro, isso cansa a minha beleza.
Pedro tem pouco mais de um ano, é do tipo folgado que prefere um colo do que ter de chegar a um brinquedo engatinhando. Gosta de brincar sentadinho no chão concentrado nos detalhes de cada brinquedo, prefere acessórios pequenos aos grandes e não gosta de muito barulho. É um menino super sorridente, bem humorado mas também cheio de vontades que não sabe muito bem como lidar com suas frustrações.
Sempre que leio sobre as fases das crianças ou algo relacionado à idade do meu filho, vejo que muito do que está escrito é coerente com o comportamento dele, parece quase uma adivinhação, mas ao vê-lo brincando com outras crianças ou em ambientes públicos, percebo que uma criança é completamente diferente da outra, as reações em determinados momentos são até parecidas, mas poucas vezes agem igual ao coleguinha do lado.
Um exemplo disso é a alimentação, o Pedro detesta segurar qualquer tipo de alimento com as mãos, prova novos sabores com cara de desconfiado e prefere os doces aos salgados. Enquanto vejo fotos e mais fotos das minhas amigas mães na redes sociais com o filho comendo um prato bem saudável e colorido de comida com a mão ou pelo menos tentando apalpar as coisas. Quem está certo? Não existe certo e errado, neste caso existem preferências. Acho mesmo que se meu filho curtisse pegar os alimentos com a mão, ele comeria melhor, mas nem os brinquedos ele leva até a boca quem dirá um brócolis rsrsrs.

 

Outro bom exemplo é vê-lo com os amiguinhos na piscina, cada um se comporta de um jeito. Uns preferem brincar sozinhos, uns com o amiguinho do lado, já outros preferem seus próprios brinquedos e assim vai. Algumas crianças são carinhosas, e outras mordem, beliscam ou empurram seus coleguinhas. Algumas mães morrem de vergonha por isso e passam tempo explicando que estão empenhadas em educar suas crias mesmo sabendo que elas não obedecem e não importa o que façam, eles continuam aprontando. Acho essa parte bem divertida (das mães com vergonha)

O que quero dizer é que não existe um manual de regras e boas maneiras pro seu filho seguir, pelo menos não enquanto eles mal entendem a palavra NÃO. Curta, aproveite, beije e abrace seu filho o quanto puder e quiser. E mais do que isso, procure entender suas dificuldades e frustrações. Sentimentos até então desconhecidos por esses pequeninos que começam a descobrir o mundo agora!

Deixe seu comentário