Cama Compartilhada

Categorias: Depoimentos Mães
O quarto do Pedro foi pensando logo no início da minha gestação. Eu havia namorado milhões de temas, entre eles, urso e safári. Meu marido que me deixou super a vontade para decorar a nossa casa nova, desta vez pediu pra escolher o tema. Como mergulhador, escolheu o fundo do mar. Eu nem havia pensado neste tema e comecei a fazer as pesquisas do zero. Não demorou muito para encontrar uma decoração super fofa com o tema fundo do mar e mergulho. Encomendei o cenário, o kit de higiene, e mais alguns apetrechos bacanas e úteis. Foi a parte da casa mais deliciosa de montar. A parede colorida, o cenário sendo aplicado, o papel de parede. O quartinho foi organizado de acordo com as necessidades do pequeno. Colocamos uma cama pra babá (ou pra quem fosse nos visitar), uma poltrona de amamentação bem confortável. Madrugadas em claro se tornam menos difíceis numa poltrona gostosa que permite alguns cochilos rápidos.

cama compartilhadaO objetivo de todo este planejamento, era deixar o ambiente  mais aconchegante e confortável possível. Assim seria mais fácil não cair na tentação da cama compartilhada. Sempre tive certeza de que o melhor lugar pro meu filho dormir seria em seu quarto, no berço. Li a respeito e entendi a importância desta decisão, ajudando no seu desenvolvimento individual, ensinando gradativamente que ele pode ficar bem sozinho e tantos outros benefícios. Decisão que também ajuda a preservar a vida do casal, que é automaticamente deixada de lado nos primeiros meses de vida do bebê.

Para facilitar um pouco a minha vida, nos primeiros dias tentei deixa-lo no carrinho junto comigo no quarto, mas ele ficou incomodado logo no início, o carrinho não parecia ser tão confortável para uma noite inteira de sono. Passamos ele para o berço, no quarto ao lado, onde passou a dormir melhor.

Pedro dorme muito bem durante a noite há muito tempo. Ainda bem, porque adoramos uma preguiça, principalmente pela manhã. Mas como nem tudo são flores, as crises e picos de desenvolvimento também deram o ar da graça por aqui, as noites mal dormidas, o choro desesperado com direito a lágrimas e tudo, fizeram com que o cansaço muitas vezes me fizessem cogitar a cama compartilhada. Eu dormia na poltrona de amamentação, acordava toda torta, com dores no pescoço e cansada, muito cansada. Depois de muitas noites mal dormidas fica difícil manter o raciocínio lógico, mas me mantive firme na decisão de não levar o Pedro pra minha cama, afinal é assim que começa, um dia após o outro até que vira todo dia!
Ficar agarradinha com ele na cama é uma delicia, dormir e acordar com aquele cheirinho de neném, e de quebra não ter que sair das cobertas no meio da noite para amamentar, é tudo de bom. Por isso adotei a cama compartilhada parcial (se é que existe, rsrsrs) aos finais de semana durante as sonecas da tarde e todas as manhãs quando ele acorda depois das 6h30m. Foi a maneira que encontrei de dormir agarradinha com ele, sem tirar a privacidade do casal e sem acontumá-lo só na minha cama! Mesmo ele conhecendo o aconchego da nossa cama, nunca tivemos problema em fazê-lo dormir no berço ou deixa-lo lá depois que adormeceu!

Deixe seu comentário