Minha filha precisa usar óculos

Categorias: Cuidados/Saúde Filhos

Hoje, depois de uma consulta com a oftalmologista, descobri que minha filha precisa usar óculos. Na consulta de rotina que aconteceu em julho, o oftalmo comentou sobre o alto grau da Olivia mas não recomendou o uso de óculos. A pedido da pediatra, fomos atrás de uma segunda opinião.

Olivia tem 2 graus de hipermetropia que não precisariam ser corrigidos se não fosse o astigmatismo. Não agora pelo menos. Hoje durante os exames, confirmamos os 3,5 e 4,5 graus que ela possui. Exames feito com e sem dilatação de pupila confirmaram a necessidade do óculos.

A indicação do uso do óculos é feita quando há queixa da criança, quando apresenta dificuldades no aprendizado ou quando o grau está acima de 2,5 como foi o caso da Olivia.

Nunca percebemos sua dificuldade em enxergar. A Escola nunca notou nada e a fonoaudióloga também não. Ao conversar com a médica, entendi que dependendo do grau e da idade não é simples perceber mesmo, o que não significa que não precise corrigir.

Confesso que fiquei chateada e quase chorei. Na minha cabeça, nada poderia estragar a perfeição do rostinho da minha filha.Se ela precisa usar óculos, não serei eu quem vou negar a situação.

Fui na ótica em frente ao consultório e diante de um atendimento frio e meio esquisito, resolvi procurar mais opções. Nesta primeira ótica, Olivia gostou de um óculos vermelho que não havia servido. Depois provou um super fofo transparente que ficou bem bonitinho.

Enquanto ia para a outra ótica, comecei a me acostumar melhor com a ideia dela usar óculos tão cedo. Vê-la sorrindo e feliz provando óculos me deixou aliviada.

Leia mais sobre a consulta com a oftalmologista pediátrica!

Chegamos num shopping perto de casa onde iríamos a uma ótica que já conhecemos, mas nos deparamos com outra no meio do caminho. Percebi que tinham várias opções e cores e a Olivia desde a consulta disse que queria um óculos com cores.

Entramos, pedimos opções e percebemos que ali tinham vários modelos bonitos e que combinavam com ela. Provamos um óculos roxo que eu adorei o formato mas não curti muito a cor. Para nossa felicidade tinha rosa e vermelho. Provamos as três cores e gostamos mais da vermelha, ela ficou feliz porque a armação tinha a mesma cor que a minha.

Entre um café e um pedaço de bolo, Olivia pulou, brincou e sacudiu até alma, mas o óculos permaneceu no lugar direitinho. Depois de escolhido, a atendente colocou uma haste de silicone que ajuda a segurar melhor.

Ficou perfeito na Olivia e entendemos que sim, ela poderia ter um óculos bonito e que fosse muito confortável. Escolhemos uma lente de policarbonato com anti reflexo. Embora a criança não tenha grandes percepções de uma lente mais confortável por ter anti reflexo. Pensamos que se para nos faz enorme diferença, imagine para eles.

Olivia estará de óculos na próxima semana e espero que ela se adapte rapidamente. Olhando as fotos tiradas na ótica, já começo a me acostumar melhor com a ideia.

Sobre como descobrimos? Consulta de rotina, que deve ser feita a partir de 6 meses de vida e se estiver tudo normal, a cada ano.

Como já disse no início do post, nem sempre conseguimos identificar a falta de visão, por isso um especialista deve ser consultado. Minha filha precisa usar óculos e fará logo agora para evitar prejuízos maiores, graças à consulta de rotina. Você já levou seu filho ao oftalmo?

1 comentário

  1. Maria Amélia Franco disse: em 27.09.2017

    Bem legal seu relato! Espero que inspire muitos pais a levarem seus filhos no oftalmopediatra e outros que ainda lutam em aceitar os óculos. Tenho um blog sobre visão na infância – http://www.visaonainfancia.com – em que falo como é importante o exame oftalmológico completo para o diagnóstico precoce de problemas oculares que podem prejudicar o desenvolvimento visual. Entre outras coisas, como escolher os óculos ideais foi o tema do meu mais recente eBook. Os da Olivia parecem estar perfeitos e são lindos!

Deixe seu comentário