Respeite seu filho

Categorias: Cuidados/Saúde Filhos

respeite seu filhoRespeite seu filho! Uma das coisas que aprendi ao longo do crescimento dos meus filhos, foi aprender a respeita-los. Não apenas as suas características, personalidade e humor, mas também seu tempo.

Pedro é do tipo mais tranquilo, dorminhoco e por conta da perda de audição, precisa receber as informações de forma mais clara e mais de um vez dependendo do conteúdo. Ele adora dormir no berço até hoje, se puder come sempre com a ajuda de alguém, não curte experimentar novos sabores e assim como eu, não gosta de sujar as mãos para comer.

Olivia dorme pouco, ensaia balbuciar diversas palavrinhas, tem personalidade forte, se deixar come sozinha, adora experimentar coisas, entende o não melhor do que todos nós e não fica sozinha por mais de 3 ou 4 minutos. Ela precisa sempre ter companhia para brincar, caso contrário, passa o dia engatinhando atrás da gente.

Aproveite o tempo de descanso com Playkids!

Tão diferentes e tão parecidos ao mesmo tempo, não apenas fisicamente. Eles tiveram as mesmas reações às vacinas, sentaram, tiveram os primeiros dentes e engatinharam com poucos dias de diferença. Depois de um ano de convivência, aprenderam a brincar juntos. Se divertem horrores, correm, gritam, pular e dão muitas risadas, lindo de se ver.

Pedro sofreu demais com a chegada da Olivia, tem muito ciúme até hoje e nós fazemos um exercício diário para equilibrar atenção, cuidado e carinho. Naturalmente tendemos a deixar o Pedro mais solto e independente, lembrando a ele que já é um mocinho, quando na verdade ele ainda precisa de colo e muito aconchego.

Das coisas que mais sinto falta na vida, é fazer as coisas no meu tempo. Tomar um banho longo, sair sem ter hora para voltar, dormir até tarde, ir ao cinema, tomar um café com as amigas. Sinto falta de ser apenas a Gabriela, sem ser a mãe do Pedro ou da Olivia.

Ter filhos é deixar de fazer as próprias coisas, ter a própria rotina e respeitar o outro, neste caso os filhos. A hora da soneca, da comida, do banho, da fralda e todas as outras milhões de coisas que cercam uma criança pequena.

Nestas férias, enquanto passeio em diversas praias do litoral Catarinense, o que mais tenho visto são pais, ávidos para aproveitar o verão, o dia quente, o sol e a noite com gente na rua. Por tabela, filhos exaustos, queimados de sol, ou aos gritos cansados de esperar nas intermináveis filas, desejando tirar sua soneca diária sem poder.

Alguns dirão que os filhos devem acompanhar os pais e entrar no ritmo da família. Eu digo que nós é que precisamos entender o limite dos filhos e nos adaptarmos a eles. Pedro e Olivia adoram passear, mas não conseguem ficar bem o dia inteiro na rua. Eles precisam de descanso, banho, comida na hora certa e sim, querem ficar em casa. Afinal quem não gosta de ficar em casa para recarregar as baterias do corpo?

Respeite seu filho e ele certamente será mais feliz. Consequentemente você também!!!

3 comentários

  1. Angélica disse: em 02.01.2016

    Realmente quem tem q mudar a rotina são os pais, visto que estes pequeninos não pediram pra vim no mundo. Foi nos mesmos que queremos, sendo assim, não podemos sacrifica – los.

  2. Paula yai disse: em 03.01.2016

    Aqui em casa rola um desequilíbrio entre eu e o pai por conta disso. Guilherme é um Bebê -ok, uma criança rs – chiador. O pai é hiperativo e não consegue parar dentro de casa, quer sair, viajar, insiste em comer fora, mesmo tudo sendo um caos com dois meninos pequenos e ligados na tomada. Eu tb sou agitada e adoro rua, mas eles me ensinaram que devem ser respeitados, ficam irritados, nós por tabela tb. Me eninarAM que nem sempre eles devem entrar na nossa e sim. Nos na deles. Pesa. Cansa. Por vezes irrita pq não fui mais a Paula, acabei sendo só a mãe do Leo e o Gui. Mas vale a pena, ver eles dormindo abraçados num domingo a tarde depois do almoço não tem preço e acaba sendo mais acolhedor do que ficar correndo atrás deles no shopping no mesmo domingo a tarde.
    Adorei o post pq me idenifico -assim como em tantos outros- e ler me faz acreditar que bater o pé e preserva los acaba sendo a melhor escolha.
    Eles vão crescer e tudo vai deixar saudades.

  3. Ivonete disse: em 07.01.2016

    Gostei muito e sempre achei que os sacrifícios quem teria que fazer seria eu e me sinto realizada assim !!

Deixe seu comentário