Minha filha operou o ouvido e a adenóide com apenas 9 meses

Categorias: Cuidados/Saúde Desenvolvimento Filhos Saúde

cirurgia adenoideMinha filha operou o ouvido e a adenóide com apenas 9 meses. Sempre que conto isso, muitas pessoas se mostram surpresas e por vezes indignadas comigo, por eu ter permitido que ela fosse submetida a um procedimento cirúrgico com direito a anestesia geral e internação, antes de completar 1 ano de vida.

Operar a Olivia com 9 meses não foi uma escolha simples, mas diante de todo o tempo em que esteve com otite, tomando antibióticos fortes e nada deixava ela melhor. Optamos por opera-la. Lembro do médico dizendo que havíamos sido vencidos pelas bactérias e que mesmo desconfortável em operar um bebê tão pequeno, era a única alternativa para ela.

Falando um pouquinho desses últimos meses:

Com pouco mais de 6 meses, Olivia teve sua primeira otite bilateral aguda, entramos com antibiótico, corticóide e mucolítico para poder eliminar a secreção e as bactérias o mais rápido possível. Nesta época eu não imaginava o que estava por vir.

Saímos de férias no meio do antibiótico e antes das férias terminarem, estávamos nós no otorrino descobrindo uma otite média secretora, aquela que acumula catarro atrás do tímpano e não dói, mas impede que a criança ouça direito, além de virar infecção bacteriana se a secreção ficar lá por muito tempo. Desta vez, nada de antibióticos, mas o corticóide foi inevitável.

Os dias foram passando, a consulta de rotina aos 8 meses chegando e a Olivia novamente com tosse, nariz escorrendo e colocando a mão no ouvido o tempo inteiro. Durante a consulta de rotina, uma nova otite média aguda foi constatada. A pediatra ligou para o otorrino e discutiu o caso. Saímos de lá com uma consulta marcada para avaliação do ouvido e com uma nova receita de antibiótico por mais 10 dias. Junto com ela, xarope para ajudar a soltar o catarro, corticóide, anti alérgico e lavagem no nariz.

Dois dias depois, estávamos nós no otorrino, modificando um pouco as prescrições e voltando para casa com um pedido de RaioX de Cavum. Este exame serve para verificar a existência e o tamanho da adenóide. deveríamos fazer este exame quando a Olivia estivesse com a saúde reestabelecida.

Fim da nova leva de remédios e lá fomos nós para a consulta de rotina com a pediatra e mais uma vez, uma nova otite surgia. Já havíamos utilizado muito corticóide e estávamos a caminho do terceiro antibiótico. Enquanto eu ouvia a pediatra falando com o otorrino, fechava os olhos e pensava. Porque Senhor, porque? Chorei um choro contido, envergonhado e frustrado por pensar que estava fazendo algo errado. Fui muito acolhida neste momento, mas nada disso evitaria uma terceira dose de antibiótico, agora intra muscular. 3 dias consecutivos de medicamento super controlado. Eu precisava me manter firme e forte, minha filha precisava de mim mais do que nunca.

Saí da sala e fui direto fazer o Raiox, agendar a impedanciometria que o otorrino havia pedido para a pediatra e depois aguardei a enfermeira chegar com o medicamento. Olivia chorou muito. A dor aparecia em forma de lágrimas no rostinho dela e no meu, que sem conseguir manter a calma, chorei até cansar. amamentei por bastante tempo e lá fui eu para casa, pensando que o pesadelo se repetiria no dia seguinte, e no outro também.

NEste tal dia seguinte, tínhamos a impendanciometria agendada para as 8h. Olivia linda e fofa de pijama na sala de espera. Um breve conversa com a fono e partimos nós para os testes de audição. A fono parecia preocupada e disse q os resultados haviam dado alterados e pediria urgência no laudo. Eu não queria acreditar, mas meu coração de mãe me fazia pensar que algo não estava bem. Vou pular o pesadelo da segunda e terceira dose do antibiótico.

Segunda feira cedo, eu Olivia e meu marido no otorrino. Examina, olha as imagens e lá veio a notícia: fomos vencidos pela adenóide e pela disfunção da tuba auditiva. Com toda paciência e riqueza de detalhes, nosso médico explicava a necessidade de uma intervenção cirúrgica para a nossa filha. Como eu já esperava por esta notícia, fui logo perguntando se poderíamos marcar para o fim do próximo mês. Ele me disse que para o fim da próxima semana ok, mas aguardar quase 30 dias e certamente ter um novo quadro infeccioso, seria imprudente da parte dele. Ele me explicou que o ultimo medicamento, geralmente é administrado a pacientes com meningite e o bicho é tão forte que mais um ciclo de 3 dias, seria o suficiente para fazer o fígado dela pedir socorro.

Não bastasse tudo isso, ainda precisava colher sangue para o pré operatório. Neste dia eu já estava me sentindo a super mãe e tendo a certeza de pouco, muito pouco, nada mais depois disso me abalaria muito.

Exames feitos, tudo certo para a cirugia, lá fomos nós, internar a Pirulita no dia do meu aniversário. Sábado cedinho ela foi operada com sucesso total, onde o próprio médico ressaltou a urgência e importância na cirurgia dela.

Não é comum operar um bebê de apenas 9 meses por causa de uma adenóide ou otite de repetição. Existem outras medidas que devem ser tomadas antes de seguir o caminho da cirurgia. O Pedro mesmo, foi operado com 2 anos e 4 meses.

Olivia passa muito bem, está ouvindo tudo  e segue se recuperando dentro do esperado. A todos que torceram por nós, meu muito obrigada. Às mães que enfrentam este mesmo tipo de problema ou vivem às voltas com infecção de ouvido, sugiro procurar um bom otorrino.

20 comentários

  1. Adriana Reis disse: em 01.10.2015

    A minha filha também foi operada da adenoide e das amigdalas quando ela tinham 2 anos e 10 meses. Foi a melhor escolha diante do quadro dela. Se foi facil? Não! Mas hoje ela está muito bem e não tem mais problemas de garganta e refluxo que tinha antes.
    Coraçao de mãe.

    1. Gabriela Gama respondeu: em 01.10.2015

      Que bom Adriana. A gente no fundo fica bem aliviada né?
      bjs

  2. sirlene disse: em 01.10.2015

    Nossa minha bebe de 10 meses já tomou uns 7 tipo de antibiótico e mas 5 injeção de cetriaxona , por causa da otite… Estou como VC já e quando da uma grega. Aparece sempre uma infecção urinaria pra piorar…
    Já não sei mas oque fazer…

    1. Gabriela Gama respondeu: em 01.10.2015

      Sirlene, sugiro procurar um otorrino com especialidade em ouvido pois não é comum!

  3. Priscila Giosa disse: em 01.10.2015

    Parabéns Gabi pela sua força, sei que não é fácil ter optado pela cirurgia mais pela situação com certeza foi a mais acertada. Coração de mãe sofre. Bjs

  4. suzana disse: em 13.10.2015

    Nossa! É bom ver relatos de mães que ja passaram pelo que estou passando. Minha filha nunca reclamou de dor de ouvido, porém pelo atraso da fala fui procurar um especialista em ouvidos e recebi o diagnostico de uma necessidade de cirurgia. Nossa!!! Estou tão nervosa com a situação que esses relatos nos acalma um pouco.

  5. Gislaine disse: em 25.09.2016

    Estou passando a mesma situação, meu BB tbm começou às otites aos 6 meses desde então foram 4 e cinco tipos de antibióticos, hj com 9 meses estamos no dilema de operar ou não a adnoide.?

    1. Gabriela Gama respondeu: em 25.09.2016

      Acho que a questão nem é a adrnoide mais. Quando optamos pela cirurgia, tbm prezamos pelo fígado que sobrecarrega com tantos antibióticos. Claramente ela precisa de cirurgia e por experiência própria eu não adiaria bebhum dia.

      1. Gislaine respondeu: em 25.09.2016

        Mais meu problema Gabriela é que o otorrino quer operar e a pediatra acha que não é necessário me confunde a cabeça , essa semana vou fazer a impedanciometria dependo do resultado vou tomar minha decisão, ele acabou o antibiótico Zinnat 250 quinta feira é ontem já começou a ficar febril, meu medo é outra otite antes do exame.

        1. Gabriela Gama respondeu: em 25.09.2016

          Gislaine me desculpe mas a pediatra não tem capacidade de decidir algo deste tamanho. A indicação do otorrino é soberana e neste caso claramente correta.

          1. Gislaine respondeu: em 25.09.2016

            Vc tem razão, amanhã depois do exame vou resolver e te conto. bj

  6. jose disse: em 01.12.2016

    Bom dia ha passei por duas cirurgias e ainda cotinuo tendo informações no ouvido, não sei mais se vou obter a cura completa,cada dia que passa me sinto desanimado e desmotivado.

  7. Erica disse: em 23.12.2016

    Minha pequena precisa da cirurgia de adenoine mas o valor cobrado de 4500 é pouco viável pra nós . Alguém com alguma sugestão

    1. Gabriela Gama respondeu: em 28.12.2016

      Erica, infelizmente é isso mesmo, o SUS demora demais. O custo está razoável, em SP ;e mais caro que isso, em torno de 7 mil.

  8. Valentina disse: em 26.04.2018

    Meu filho de 2 anos e 3 meses irá realizar a cirurgia para adenoides e colocar drenos no ouvido. Ela também colocou?
    Na verdade nunca meu filho reclamou do ouvidinho e se gripou 3 vezes na vida foi muito. Porém, com 4 meses ele amanheceu com o ouvido preto cheio de sangue, mas leiga achei que era porque eu tinha limpado na noite anterior e como ele estava super bem sem nenhuma dor nem febre, não o levei ao médico logo, só na consulta de rotina onde aparentemente tudo estava normal. Mas não. Ele começou a ter atraso no desenvolvimento, não fala nada. Como moramos fora, a maioria nos dizia ser normal, mas graças a Deus o pediatra novo dele o encaminhou para o otorrino com essa suspeita levando em conta ele ser prematuro e ter tomado uma combinação que poderia afetar a audição.
    Eu estou muito nervosa, pois estou grávida de oito meses, ele realizará a cirurgia no início dos meus nove meses e como será cesárea, acredito que na mesma semana que ele opera eu vou ter bebe. Não sei o que fazer quero muito cuidar dele, como é o pós operatório? Você poderia me escrever por e-mail? Sei que vão me explicar tudo mas mais informação nunca é demais. Estou aflita!

    1. Gabriela Gama respondeu: em 08.05.2018

      Tem um post sobre o pós operatório, mas é muito tranquilo. A parte mais chatinha é quando tira a amigdala pois é doloroso. No mais tudo bem sossegado, aqui nem analgésico tomaram! Boa sorte 😉

  9. Fofão Gomes Junior disse: em 13.08.2018

    Minha filha tem 7 dias de operada, operou nariz, ouvido e garganta porem quando ela come ou bebe algo ela reclama de dor no ouvido, isso é normal?

    1. Gabriela Gama respondeu: em 16.08.2018

      Sugiro consultar o médico que a operou.

      Boa recuperação!

Deixe seu comentário