Como e com quem furar a orelha da sua filha

Categorias: Cuidados/Saúde Dicas Filhos Produtos
Há algum tempo, falei sobre a escolha dos brincos para as meninas recém nascidas e hoje quero contar sobre a escolha do profissional que fará o furo e a colocação do brinco. Olivia acabou de ganhar brincos na orelha, fizemos o furo hoje com 7 dias de vida, após passar na pediatra, saber que está tudo bem e que a opção de técnica escolhida é a mais adequada para o furo antes dos dois meses de idade, ou antes das primeiras vacinas.
Quando eu era adolescente resolvi fazer mais 2 furos na orelha esquerda e 1 na direita. Nesta época o furo é feito na farmácia ou qualquer quiosque de shopping que tivesse brincos e pistola para furar orelha de recém nascido. Meu primeiro furo foi feito na maternidade ainda, pratica proibida há alguns anos.
Quando estava grávida do Pedro e ainda não sabia se teria um menino ou uma menina, o assunto brincos surgiu numa conversa de comadres e a madrinha do Pedro me disse que havia chamado uma enfermeira para furar a orelha da Tarsilinha em casa. Já que o furo já é um processo dolorido, sair de casa para este fim seria estressante demais pra um bebê.
Nasceu o Pedro e nasceu a Rafa, filha da minha amiga Alena, a qual acompanhei a escolha do brinco e o momento do furo. Me lembro bem deste dia, ela tava nervosa e com medo, mas teve a sorte de encontrar uma enfermeira super bacana e paciente. A Rafa quase não chorou e ficou uma graça de brinco. Ela tinha 2 meses e já tinha sido vacinada. Eu não conhecia nenhum tipo de técnica para fazer o furo e o desta enfermeira, utiliza o próprio brinco e o furo é feito com a mão.
Quando fui à pediatra do Pedro já sabendo que a Olivia estava a caminho, ela comentou que tinha uma enfermeira muito bacana pra indicar, tanto para ajuda na parte de aleitamento materno, quanto para furar a orelha da pequena. Nesta época eu tinha em mente que a orelha seria furada com meses de vida depois das vacinas. Nasceram algumas princesinhas, filhas de amigas e pacientes da tia Déia (nossa querida pediatra) e por elas soube que o procedimento deste enfermeira era feito com um brinco de sistema americano e totalmente estéril, por isso poderia ser feito antes dos 2 meses, geralmente com 15 dias. Juro que isso não me animou mais ou menos, mas depois que a pequena nasceu comecei a ficar ansiosa para colocar o brinco logo.Há dois dias fomos à pediatra com a Olivia e perguntei sobre o brinco. Tia Déia liberou o furo antes das vacinas, contanto que fosse feito pela enfermeira indicada por ela, já que conhecia o processo e segundo ela o melhor que poderíamos escolher. Saí de lá com o telefone da enfermeira e na sequencia mandei uma mensagem pra saber quando ela poderia furar a orelhinha da nossa pequena.O dia foi hoje 12.12.14 logo pela manhã, a enfermeira chegou, conheceu a Olivia e começou a preparar as coisas. Primeiro ela colocou uma pomadinha anestésica que chama Emla em cada orelha. Depois de uns minutos, marcou com uma canetinha onde seria feito o furo e logo depois… click! Um mini chorinho e nada mais, lá estava nossa Olivia de brincos. A enfermeira nos mostrou 2 modelinhos de brincos, a tradicional bolinha de ouro e um outro com um brilhantinho. Escolhemos o segundo pra fugir do tradicional, e ficou uma graça.

Minha recomendação é que sempre converse com o pediatra da sua filha antes de decidir como e com quem furar a orelha da pequena. Peça indicações de amigas se precisar e informe-se como foi a técnica utilizada e com quanto tempo furaram a orelha das suas filhas. Aqui em casa precisamos recorrer a chupeta para que a Olivia ficasse quietinha na hora da marcação do furo, e se acalmasse logo depois do furinho. A Olivia não usa chupeta mas hoje foi uma bela ajuda!

Aqui as fotos da nossa manhã enquanto a Olivia ganhava seu primeiro par de brincos…

Brinco lacrado e estéril

 

Marcando a orelhinha

 

Princesinha de brincos

Deixe seu comentário