A mãe que eu quero ser!

Categorias: Depoimentos Educação Filhos Mães
Este é um mês bastante especial para nós mães, é o tempo em que somos lembradas nas propagandas, nas lojas, tempo que somos presenteadas e um tempo em que certamente refletimos ainda mais sobre o nosso modo de maternar. Tempo em que percebemos que amamos muito mais nossas mães depois dos nossos filhos, do que havíamos amado até então. Isso porque só quem é mãe entende o amor incondicional e único que sentimos pelos nosso pimpolhos.
Depois de me emocionar pensando no quanto é bom e ao mesmo tempo difícil ser mãe. Tenho me perguntado que tipo de mãe eu quero ser! A maternidade nos mostra claramente que a gente muda e sim, deve sempre mudar de opinião quantas vezes for necessário. Já diz o ditado por aí, que ser mãe é pagar a língua o tempo todo.
Tenho uma amiga que voltou a trabalhar 38 dias depois do parto, ela levava seu pequeno junto e amamentava entre uma consulta e outra. Passou alguns meses com a mãe a tiracolo para conseguir trabalhar e cuidar do filho. Perguntei se não era um tanto exagerada essa vida corrida dela com um bebe tão pequeno ainda. Ela prontamente me respondeu que seu filho certamente seria um menino feliz se tivesse por perto uma mãe feliz e realizada. Pensei muito nisso e resolvi seguir meu coração.
A gente conhece um monte de modelo de mãe. As que trabalham demais, as que trabalham de menos, as mais protetoras, as mais desencanadas e assim por diante. Não existe um modelo certo, existe um modelo que dá certo pra você e muito provavelmente não dá certo pra coleguinha do lado.
Eu certamente seria uma mãe frustrada e infeliz se passasse meus dias cuidando da casa e do filho. Não que eu não cuide, mas eu tenho um trabalho. Saio de casa todos os dias, pego meu carro e vou pra agência. Lá desligo da casa e das coisas que não dizem respeito ao trabalho. Tudo bem, as vezes eu preciso resolver coisas pessoais no meio do dia, mas isso é completamente compreensível. No trabalho descanso minha cabeça de mãe, mulher e dona de casa. Em casa desligo dos problemas do trabalho e procuro me dedicar integralmente ao meu filho, aos meus gatos, o marido e um pouquinho à casa. Esse foi o caminho que tracei e que me realiza como mãe e mulher.

Nada funciona melhor numa mãe do que a sua intuição. É preciso seguir o coração e encontrar um equilíbrio entre a maternidade e vida com o marido, amigos e o que mais couber nesta lista. Não existe nada mais gostoso do que chegar em casa feliz para curtir os filhos. Brincar, cuidar, fazer dormir. Tudo isso precisa ser prazeroso e não visto apenas como uma obrigação. Melhor dizendo, façamos da obrigação diária algo bom e proveitoso. Só assim conseguiremos curtir e apreciar nossa vida corrida e muitas vezes insana de mãe.Eu quero ser uma mãe tranquila, realizada como mulher e como profissional. E você?

Deixe seu comentário