Me despedindo da babá eletrônica

Categorias: Dicas Produtos
Há algum tempo venho ouvindo do marido que já passou da hora de desapegar da babá eletrônica, e eu sempre arrumava uma desculpa para deixa-la no meu criado mudo por mais um tempo.
Com as férias na casa do meu avô, o Pedro ficou no quarto com minha mãe, e eu passei a dormir no escuro denovo, acho que eu nem lembrava mais como era isso. Por mais de um ano dormi com a tela o mais perto possível dos olhos e de tempos em tempos dava uma espiadinha. É verdade que eu acordava a noite inteira e muitas vezes eu saia da cama mais cansada do que quando ia deitar, mas quem é mãe entende bem essa “neura” de conferir o tempo todo se o filho está bem.
Ontem foi o dia da despedida! Cheguei em casa e vi sobre a minha cama a câmera, o monitor e os cabos, quando começou a cair a ficha de que a babá eletrônica finalmente iria pra gaveta. Minha mãe foi logo falando: Sayto tirou a câmera do berço pra você guardar! Fiquei em choque por alguns segundos e logo depois fui lentamente enrolando os cabos e ajeitando as peças para guardar aquela pecinha que me acompanhou por tantos meses e me fez ficar bastante tempo admirando a figurinha que aparecia na tela. Me lembrei das vezes que levantei para procurar o Pedro, já que ele não estava mais sendo visto pela câmera e depois de um tempo desisti de ficar indo e vindo o tempo todo. A verdade é que o Pedro tem um sono super agitado, ele fala, ri, chora, bate palma, tudo isso enquanto dorme. Também senta, vira de lado, rola e passeia pela cama a noite inteira, por isso muitas vezes ele sumia da tela, o tempo foi passando e eu me acostumei a acordar e ver apenas um pé ou uma mão num canto ou outro da telinha.
Flagra na babá eletronica:
Pedro dormindo confortavelmente, rsrsrs
Pedro já é um mocinho e não precisa mais da babá eletrônica para ajuda-lo a pedir qualquer coisa, quando ele acorda feliz, fica brincando no berço até que alguém apareça ou resolva nos chamar. Já quando acorda chateado vai logo fazendo escândalo e eu claro, chego em menos de 5 segundos para socorre-lo.
É isso, os bebes realmente crescem e à medida que o tempo vai passando, ficam mais independentes de nós. Acho que toda mãe tem dificuldade para realizar isso na cabecinha e no coração. Estou nesta lista, certeza!

Deixe seu comentário