A minha volta ao trabalho depois da licença maternidade

Categorias: Depoimentos Mães

volta ao trabalhoQuando estava grávida, várias pessoas me perguntavam se eu voltaria a trabalhar depois da licença maternidade. Sem pestanejar, sempre respondi que sim, afinal temos vida pós filhos! Mal sabia eu, que se pudesse, com certeza pararia de trabalhar e cuidaria exclusivamente do Pedro, pelo menos até um ou dois anos. Essas perguntas sobre filhos só deveriam ser feitas depois que eles nascem.
A medida que ele ia crescendo e o tempo da licença diminuindo, o desespero ia aumentando. Pensar que em pouco tempo meu filho ficaria numa escolinha ou nas mãos de alguém que eu havia recém conhecido, me fez perder muitas noites de sono. Pensei, pensei, pensei e propus um aumento na carga horária e de salário para a minha funcionária do lar, ela está comigo a mais de 8 anos, ama crianças, é técnica de enfermagem e adora o Pedro. Dias depois Val topou cuidar do Pedro, e desde cedo já fez uns extras lá em casa, consegui até ir a um casamento e um aniversário sem o pequeno. Tentei aproveitar bem a ocasião com o marido, mas a saudade falou muito mais alto e voltamos pra casa assim que conseguimos uma brecha nestes compromissos.

Pedro começou a mamar no peito exclusivamente com apenas dois meses, desde então, adora dormir mamando. Em algumas raras exceções a babá conseguia fazê-lo dormir no colo enquanto cantarolava alguma coisa. Ela vive cantando pra ele, e ele adora! Talvez por isso ele faça tanta festa pra ela quando ela chega em casa. Essa rotina do sono, mudou completamente com a minha volta ao trabalho, claro!

Foram 6 meses em casa entre licença maternidade, amamentação e férias, Quatro deles fazendo o Pedro dormir no peito. Cansativo, porém um tempo muito gostoso de proximidade e carinho entre eu e meu filho. Quando fazia frio, passava a tarde na cama debaixo das cobertas, fazendo ele mamar deitado para dormirmos agarradinhos, esta sempre foi a melhor parte da amamentação! Até hoje coloco ele pra mamar na minha cama aos finais de semana. É uma boa maneira de ficar na cama de preguiça até as 10h da manhã. Isso mesmo, 10h! Pedro quando mama deitado acaba pegando no sono, eu aproveito o embalo. Papai então nem se fala!
Pouco antes de acabar minha licença, comecei a retomar minha rotina. Drenagem, consultas médicas, mercado, farmácia e caminhadas. Achei estranho no começo mas confesso que gostei de voltar a ter vida e usar qualquer roupa que não parecesse pijama ou calça de moletom. Parece que a gente deixa de viver para viver só em função do filho. Realidade de quase todas as mães, que julgo importante por um período, mas hoje consigo ver o lado bom de estar sozinha, pelo menos por algumas horas. Acho mesmo que faz bem pra cabeça. Algumas mães conseguem fazer isso com um bebê de dois ou três meses, outras só quando voltam a trabalhar e porque não tem escolha, e outras parecem que nunca mais andarão sozinhas pelas ruas. Depois da maternidade, aprendi que não existe certo e errado, existe aquilo que é bom pra mamãe e pro bebê!

A minha volta ao trabalho aconteceu quando o Pedro estava com quase 6 meses. Mesmo já grandinho, a rotina dele mudou bastante e com certeza ele percebeu. Já tinham me dito e eu não acreditei que, crianças se adaptam facilmente a novas rotinas e sentem menos esta separação do que nós mães. Mesmo assim as segundas feiras sempre foram as mais difíceis, e continuam sendo até hoje. Complicado sair de um fim de semana intensivo com pai e mãe, e no dia seguinte ter uma babá que divide o tempo dela entre casa e Pedro.  Natural que sinta a nossa falta e precise de mais atenção. Santa Val que tem toda paciência do mundo com ele :)Com a volta ao trabalho, chegaram os novos alimentos, e uma nova rotina, que sempre funcionou muito bem e o Pedro se adaptou facilmente. Para minha alegria e tranquilidade, o Gorducho é bom de garfo e ama comer quase tudo, contanto que seja oferecido pela babá.

Coisas que mudaram bastante com a minha saída

• Chupeta, ele passa o dia com ela se deixar, e não dorme sem ela se não estiver mamando no peito.
• Dorme sozinho no berço, contanto que tenha uma musiquinha tocando, uma chupeta por perto e seu inseparável Naninho.
• Brinca sozinho por bastante tempo e não sente muita falta de companhia enquanto está entretido.
• Adora ficar sentado quietinho me fazendo companhia antes de dormir a noite, fica lá só me observando, comer ou fazer alguma outra coisa.
• Não briga tanto com o sono na hora de dormir, geralmente pega no sono em três ou quatro minutinhos, de preferência mamando.
• Come super bem quando seus horários são respeitados e adora as novidades introduzidas no cardápio, essa parte funciona melhor com a babá.
• Está sempre feliz quando chego em casa (não tem preço ver aquele sorrisão banguela me esperando).

Depois de dois meses de volta ao trabalho, Pedro continua o mesmo bebê sorridente, bonzinho, comilão e gorducho. Sim, existe vida pós filho. Mais cansativa, mas muito melhor!

1 comentário

  1. Avatar
    Tatiana Gigante disse: em 14.08.2013

    Seu Blog é Show, Gaby. Eu não tenho filhos, mas planejo para breve, talvez o ano que vem. Ler seus posts e acompanhar essa rotina faz eu me preparar psicologicamente para o que eu vou viver qndo essa escolha se concretizar, rss..

    Bjs

Deixe seu comentário